A carregar eventos

« Todos os Eventos

  • Este evento já ocorreu.

III CICLO DE MASTERCLASSES – CANTO FIRME

Fevereiro 10 - Março 10

III CICLO DE MASTERCLASSES – CANTO FIRME

 

FEVEREIRO E MARÇO 2018

 

Orientadores das Masterclasses: 

 

Trombone Tenor - 10 e 11 Fevereiro: Nuno Scarpa

Nuno ScarpaEstudou no Conservatório Regional de Setúbal com o Prof. Emídio Coutinho e Instituto Piaget de Almada com o Prof. Hugo Assunção.

Fez parte da Orquestra Sinfónica Juvenil.

Em 1995 começa a trabalhar com a Orquestra Sinfónica Portuguesa.

Em 1996 começa a trabalhar assiduamente com a Orquestra Clássica do Porto, como instrumentista convidado, tendo em 1997 obtido o 1º lugar no concurso a chefe de naipe convidado na que passaria a designar-se Orquestra Nacional do Porto, desempenhando as funções de 1º Trombone até Julho de 2000. Como instrumentista já colaborou com a Companhia Nacional de Bailado, Endemol, Take a Step, Música no Coração Produções, Circulo Musical Português, TCC- Produções, entre outras

Fez parte do quarteto de trombones “Opus trombones”, com o qual participou no T.I.M.- Torneo Internazionale di Musica (Itália), tendo sido distinguidos com o diploma de honra, realizaram diversos concertos de Norte a Sul.

Faz parte do GMS- Quinteto de Metais desde 2001 onde actua regularmente em Portugal Continental e Ilhas.

Faz parte do Ensemble Português de Trombones (com o qual gravaram um cd em 2006 – “A Diferent Era”)

Como instrumentista convidado colabora (ou) com:

Orquestra Nacional do Porto, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra Gulbenkian, Ginásio Opera, Sinfonia B, Orquestra das Beiras.

Desde de 2005 colabora assiduamente com a Orquestra Sinfonietta de Lisboa (Ricercare).

Tem participado e organizado diversas master classes através do GMS nomeadamente com Benny Sluchin; Scott Hartman; Enrique Crespo; Gene Pokorny¸Hilgers, Joseph Alessi, David Taylor, Michael Sachs, Alan Vizutti, Mathias Hoffs.

Realizou master classes; Conservatório Calouste Gulbenkian, Braga;

Academia de Musica de Tarouca ;Faial (Açores,3º Curso para jovens Músicos na SFU Praiense); Instituto das Artes (Castelo Branco),Conservatório Regional de Ponta Delgada, Escola Profissional de Música de Seia, Conservatório de Música e Artes do Dão, Conservatório de Música de Paredes e Conservatório Regional do Baixo Alentejo.

Foi júri do Concurso Internacional para Instrumentos de Sopro “Terras de La- Sallete” Oliveira de Azeméis desde 2013 até 2017.

Lecionou na Escola Profissional de Musica do Porto.

Lecionou na Escola Profissional de Artes da Beira Interior de 2002/2011.

Leciona na Escola Profissional de Arte de Mirandela desde 1997. 

 

Trombone Baixo - 10 e 11 Fevereiro: Thierry Redondo

Thierry RedondoThierry Fradinho Redondo, nascido a 17 de Março de 1994 em Paris, iniciou os seus estudos musicais na Banda Filarmónica Simão da Veiga da Casa do Povo de Lavre em 2003.

Em 2009 iniciou na Escola Profissional Metropolitana na classe do Prof. Reinaldo Guerreiro tendo continuado com o mesmo professor na Academica Nacional Superior de Orquestra até ao ano 2016.

Actualmente está a frequentar o Mestrado na Hochschule für Musik und Theater Felix Mendelssohn Bartholdy“  Leipzig, Alemanha, com os professores Thomas Leyendecker e Mayumi Shimizu.

Na sua experiência de orquestra tem-se apresentado com orquestras tanto profissionais como de jovens, tais como Orquestra Gulbenkian, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orquestra Sinfónica Cascais e Oeiras, Orquestra de Almada, Orquestra de Jovens do Mediterrâneo e Estágio de Orquestra Gulbenkian. Com maestros como Pablo Heras Casado, Michael Zilm, Jean Sébastien Béreau, Jean Marc Burfin, Joana Carneiro, Pedro Amaral, Garry Walker, Reinaldo Guerreio, Emílio Pomàrico, entre outros.

Conta com um segundo prémio no Concurso Terras de La Sallete, nível Sénior em 2012.

É também bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian.

 

Percussão - 12 Fevereiro: Marco Fernandes

Marco FernandesNascido em Arrentela (1986), concelho de Seixal, inicia a sua aprendizagem em percussão na Escola de Música da Sociedade Filarmónica União Arrentelense. Prossegue os estudos musicais na Escola Profissional de Música e Artes de Almada com os professores José Carinhas e Lídio Correia, e na Escola de Música do Conservatório Nacional com os professores Carlos Voss e Carlos Girão. Em 2005 ingressa na Escola Superior de Música de Lisboa onde trabalha com os professores Carlos Voss e Abel Cardoso. Conclui a Licenciatura em Música – Ramo de Interpretação (variante percussão) na Universidade de Évora, com o Prof. Dr. Eduardo Lopes. É atualmente mestrando em música, especialidade percussão, na Escola Superior de Música de Lisboa, sob orientação do Prof. Pedro Carneiro.

Colaborou já com as seguintes formações: Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra Gulbenkian, Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orquestra Sinfonietta de Lisboa, Orquestra Nacional do Porto, OrchestrUtópica, Orquestra de Câmara Portuguesa, Lisbon Film Orchestra, Ensemble Mediterrain, Lusitanus Ensemble, Ensemble Contemporâneus, Lisbon Ensemble 20/21, Quarteto de Clarinetes de Lisboa, Quarteto Lopes-Graça, Quarteto Artemsax, Moscow Piano Quartet, Brass Factory, entre outras.

É atualmente professor coordenador na Metropolitana (Academia Superior de Orquestra, Escola Profissional Metropolitana, Conservatório de Música da Metropolitana) e professor assistente convidado no Departamento de Musica da Escola d’Artes da Universidade de Évora. É também director artístico do grupo de percussão “Percussões da Metropolitana” e do Concurso Internacional de Percussão da Beira Interior.

É Artista das marcas Innovative Percussion Inc., Majestic Percussion e Zildjian Company.

 

Clarinete - 17 Fevereiro: Alberto Lages

Alberto LagesAlberto César Carreira Lages, nasceu em Tangil, Monção, onde iniciou os estudos musicais com o seu pai António Lages, maestro da filarmónica local.

Em 1988 ingressou na Banda da Região Militar Norte no Porto. Mais tarde, após a conclusão do Curso de Formação de Sargentos, foi colocado na Banda Sinfónica do Exército sediada em Queluz – Sintra.

Ingressa na Escola de Música do Conservatório Nacional em Lisboa concluindo o curso de clarinete na classe do professor Manuel Jerónimo com a mais elevada classificação.

Em 1999 finaliza a licenciatura em Música na Escola Superior de Música de Lisboa na classe de clarinete do professor Manuel Jerónimo e música de câmara da professora Olga Prats.

Finalizou em 2013 a Licenciatura em Direção de Orquestra de Sopros na Escola Superior Música de Lisboa sob a orientação do maestro Alberto Roque trabalhando ainda com Vasco Pierce Azevedo e Paulo Lourenço. Estudou Direção de Orquestra com o maestro Jean Sébastien Béreau.

Frequentou Master-classes de Clarinete sob a orientação de António Saiote, Manuel Jerónimo, Guy Deplus, Guy Dangain, Walter Boikens, Karl Leister, David Campbel, de Direção de Orquestra com Jean Sébastien Béreau, Mitchell Fennell, Steve Davis, Felix Hauswirth, Mark Heron, José Rafael Pascoal Vilaplana, e de Direção Coral com Vasco Piarce de Azevedo e Paulo Lourenço entre outros

Em 1998 ganhou o concurso internacional para solista B da Orquestra Gulbenkian. Fez parte da Orquestra Sinfónica Juvenil, Orquestra Domingos Bontempo, Orquestra de Clarinetes José Canongia, Orquestra de Câmara de Cascais/Oeiras, Camerata Instrumentalis e Orquestra de Sopros de Sintra.

Na área da Música de Câmara, salienta-se a colaboração com o Ensemble Clarinete Modus, o Quinteto Flamen, solistas da Orquestra Gulbenkian, Afonso Malão, Octeto de Sopros da Banda Sinfónica do Exército, Trio Divertimenti, Aulos Consort e Sirinx Ensemble.

No âmbito de um projeto de pós-graduação em Música de Câmara da ESML, apresentou os trios para clarinete, violino e piano, “Contrastes” de Béla Bartók e “História do Soldado” de Igor Stravinsky com o violinista Stephen Tran Nhoc, professor do Conservatório Nacional Superior de Lyon – França, e o pianista Afonso Malão, num recital realizado no Museu da Música em Lisboa.

Já colaborou com as principais orquestras do país: Orquestra Gulbenkian, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra de Câmara de Sintra, entre outras. Apresenta-se com regularidade em variadas combinações camerísticas. Apresentou-se a solo com a Banda Sinfónica do Exército e com a Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras.

Dirigiu a Orquestra de Sopros da Escola Superior de Música de Lisboa, Orquestra de Sopros do Conservatório Nacional, Orquestra de Sopros do Conservatório D.Dinis, a Camerata de Sopros Silva Dionísio e Ensemble de Clarinetes do Conservatório D.Dinis e ainda a Banda Sinfónica do Exército e Banda na Guarda Nacional Republicana enquanto aluno da Licenciatura em Direção de Orquestra de Sopros.

Tocou sob a direção de conceituados maestros como Jean Sébastien Béreau, Michael Zilm, Frans Brüggen, Günther Herbig, Stanislaw Skrowaczewski, Muhai Tang, Michel Corboz, Claudio Scimone, Marko Letonja, José Ramón Encinar, Zoltán Peskó, Wayne Marshall, Mitchell Fennell, Martyn Brabbins, Jeffrey Tate, Alberto Roque, Paulo Martins, José Ferreira Brito e Reinaldo Guerreiro

Participou em gravações para RTP, RDP – antena 2 onde se destaca a gravação da obra “Coros e Danças Medievais” do compositor português Cândido Lima com a Orquestra de Sopros da Escola Superior de Música de Lisboa sob a sua direção e para Hyperion Records com Orquestra Gulbenkian aquando da gravação de obras para piano de José Vianna da Motta pelo pianista Artur Pizarro e a direção do maestro Martyn Brabbins.

Atualmente é 1º Clarinete Solo, Chefe de Naipe na Banda Sinfónica do Exército e ainda responsável pela Área da Formação da banda e professor de Clarinete e Análise Musical no âmbito dos vários cursos aí ministrados inerentes a progressão na carreira de músicos do Exército Português.

É    professor de clarinete e maestro da Orquestra de Sopros no Conservatório de Música D. Dinis, em Odivelas.

Dirige a Sociedade Filarmónica Alcanedense – Alcanede, Santarém onde também exerce funções de coordenador da Academia de Música.

 

Trompa - 17 e 18 Fevereiro: Paulo Guerreiro e Luís Vieira

Paulo GuerreiroPaulo Guerreiro, natural de Loulé – Licenciado em Trompa pela ESART, detentor do Título de Especialista em Trompa, Doutorando em Música e Musicologia Especialidade em Instrumento na Universidade de Évora, ocupa atualmente a posição de Coordenador de Naipe-Trompa Solista da Orquestra Sinfónica Portuguesa e é membro da Orquestra Barroca Divino Sospiro. Estudou com os Professores António Costa e Jonathan Luxton na Escola de Música do Conservatório Nacional e na Escola Superior de Música respetivamente. Em 1990 foi membro efectivo da Orquestra de Jovens da Comunidade Europeia.

É membro do Quinteto Flamen, com o qual já participou em diversos concertos pelo País e no Festival Internacional de Música de Macau e da Orchestrutópica.

É membro Fundador do quinteto de Metais Lisbon Brass.

Leccionou as classes de Trompa e Música de Câmara na Escola Profissional de Música de Almada, onde foi coordenador dos Cursos de Instrumento, Música de Câmara e Música e Novas Tecnologias. Ministrou as classes de Trompa e Música de Câmara durante 5 anos nos Cursos de Música de Loures.

Ministrou Master Classes de Trompa, em Castelo Branco na Escola Superior de Artes Aplicadas, na Escola Profissional de Artes da Beira interior (Covilhã), no primeiro congresso de Trompas realizado na Casa da Música no Porto 2008, no ano de 2014 em Curitiba (Brasil), na Academia de música de Castelo de Paiva, conservatório regional de Palmela, Conservatório d’Artes de Loures, etc.

Foi Professor de Trompa e Música de Câmara na Licenciatura em Música do Instituo Jean Piaget em Almada. Actualmente leciona Trompa na Escola Superior de Artes em Castelo Branco (ESART), no Instituto Jean Piaget em Almada (Mestrado em Ensino da Música) e na Escola Superior de Música em Lisboa (ESML).

Com a Orquestra Barroca Divino Sospiro tem feito inúmeros concertos no País e estrangeiro, em festivais importantes como a Festa da Música no Japão em 2006, Festa da Música em Lisboa, Festival de Música antiga em Ambronay, Festival Internacional de Música de Mafra, entre outros. 

 

Luís VieiraLuís Vieira é natural de Castelo de Paiva, nascido no ano de 1988. Iniciou os estudos musicais aos seis anos de idade na Academia de Música de Castelo de Paiva, na classe de piano. Posteriormente iniciou o estudo da trompa, a partir dos seus 14 anos na classe do prof. Marco Costa. No ano de 2009 obteria o título de Licenciado pela Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco, com o tutor Paulo Guerreiro, com elevada classificação. No ano de 2010 frequentou o Curso Livre na ESMAE (Porto) com o prof. Abel Pereira, e pós-graduação no Conservatorio Superior de Musica de Aragón (Zaragoza, Espanha) na classe de Eric Terwilligher e Sarah Willis.

De 2011 a 2013 Luís Vieira frequentou a Escuela Superior de Musica Reina Sofia (Madrid, Espanha), na classe do prof. Radovan Vlatkovic, onde recebeu das mãos da Rainha Sofia de Espanha o prémio de melhor aluno da Cátedra de Trompa. Foi bolseiro da Fundação Gulbenkian e da Fundacion Carolina. Luís terminou o seu título de Mestrado em Trompa Solista na Zurcher Hochschule der Kunste (Zurique), na classe do Prof Radovan Vlatkovic no ano de 2015.

Foi seleccionado para várias orquestras jovens como The World Orchestra (Espanha), Lucerne Festival Academy (Suiça), Schleswig-Hohlstein Youth Orchestra (Alemanha), Orquesta Joven Sinfónica de Galicia (Espanha,) entre outras.

Como músico convidado colaborou com várias orquestras profissionais, como Orchestre de la Suisse Romande (Genébra), Orchestra della Svizzera Italiana (Lugano), Orquestra Sinfónica Portuguesa (Lisboa), Orquesta Nacional de España (Madrid), Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música, Divino Suspiro Ensemble Barroco, entre outras.

No ano de 2011 Luís Vieira foi premiado no Prémio Jovens Musicos, na categoria Superior. Em 2012 foi seleccionado entre os últimos 14 concorrentes na Markneukirchen International Competition e foi finalista em 2013 do Citta di Porcia Music Competition.

Luís foi Academista da prestigiada Karajan Akademy da Orquestra Filarmónica de Berlim nas temporadas 2013/2014 e 2014/2015, tendo-se apresentado várias vezes com a Orquestra e sob a direção de Sir Simon Rattle, Semyon Bychkov, Valery Gergiev, Herbert Blomstedt, Christian Thielemann, Gustavo Dudamel, Riccardo Chailly, Andris Nelssons, entre outros.

Desde a temporada 2015/2016 é Trompa Solista na Orquestra Sinfónica Portuguesa.

Lecciona na Universidade de Évora e na Escola Superior de Artes Aplicadas, em Castelo Branco.

 

Trompete - 25 Fevereiro: José Almeida

José AlmeidaJosé Almeida licenciou-se em trompete na Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco (ESART) na classe do professor António Quítalo, onde mais tarde também terminou o Mestrado em Performance e onde se encontra neste momento a terminar o Mestrado em Ensino de Música especialização Trompete e Classe de Conjunto.

Participou em diversos masterclasses com John Miller, Pierre Dutot, John Aigi, Spanish Brass, Giuliano Sommerhalder, Per Ivarsson, Nenad Markovic, Fruzsi Hara, Hakan Hardenberger, Gabor Tarkovi, Jeroen Berwaerts, Hans Gansch, Reinhold Friedrich, entre outros.

Toca, enquanto músico convidado, com a Orquestra Filarmónica Portuguesa, Orquestra Sinfónica Portuguesa do Teatro Nacional de São Carlos (Lisboa), Orquestra Sinfónica do Porto – Casa da Música, Orchestrutopica, Divino Suspiro, Lisbon Film Orchestra, Orquestra do Algarve, Orquestra Clássica do Centro, entre outras. É desde 2006 membro da Orquestra de Câmara Portuguesa.  

Foi membro da European Union Youth Orchestra (EUYO), da Mediterranean Youth Orchestra e da World Youth Orchestra.

Desde 2017 é membro da Orchestra Excellence.

Leciona na ESART – Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco (enquanto professor assistente), no Conservatório de Música da Guarda e no Conservatório de Música de Viseu.

Foi premiado com o Segundo Prémio (Nível Superior – Solista) no concurso “Prémio Jovens Músicos”, edição de 2008.

 

Oboé -25 Fevereiro: Filipe Freitas

Filipe FreitasIniciou os seus estudos de oboé com os professores Luís Mota, Andrew Swinnerton e Linda Carina em Tomar. Mais tarde, obteve a Licenciatura na Escola Superior de Música de Lisboa, na classe do professor Andrew Swinnerton.

Mais tarde, estudou com o professor Pedro Ribeiro no Curso de Mestrado na Academia Nacional Superior de Orquestra.

Em 2009 foi o oboísta a representar Portugal na Orquestra Juvenil Ibero-Americana, dirigida pelo Maestro Gustavo Dudamel, com concertos no Auditório Nacional de Música em Madrid e no Grande Auditório Gulbenkian em Lisboa.

Tocou como solista por diversas vezes com a Orquestra Sinfónica Juvenil, Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras e com a Orquestra de Câmara da GNR.

É membro fundador do Ensemble Palhetas Duplas. Atualmente, é Solista da Banda Sinfónica da GNR e da Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras. É regularmente convidado a colaborar a Orquestra Metropolitana de Lisboa e Orquestra Sinfonietta de Lisboa.

Paralelamente, lecciona no Conservatório de Cascais e na Escola de Música Nossa Senhora do Cabo. Simultaneamente, é aluno de Mestrado em Ensino da Música na Escola Superior de Música de Lisboa.

 

Eufónio/Tuba - 10 Março: Ilídio Massacote

ilidio-massacote-255x255Nasceu no Montijo, começou a estudar Tuba aos 17 anos de idade e um ano mais tarde ingressa na Banda da Guarda Nacional Republicana. Estudou no Conservatório Nacional de Música de Lisboa, com os Professores António Lages e José Augusto Carneiro. Em 1993 concorreu e ganhou uma bolsa de estudo da Fundação Calouste Gulbenkian, que lhe permitiu estudar em Paris durante dois anos com os Professores Gérard Buquet e Philip Légris.Em 1993 frequentou um Master Class na ESMD de Paris com os Professores Gérard Buquet e Bennny Sluchin; 1994 um Estágio de Verão em Montpellier com os Professores Jacques Dropsy e Gérard Buquet; 1996 um Master Class com o Professor Michael Lind; 1997 e 1998 um Master Class com o Professor Phillip Légris; 2002 um Master Class com o Professor Eugene Pokorni; 2003 um Master Class com o Professor Walter Hilgers. Fez parte da Orquestra Portuguesa da Juventude por concurso e também ficou na reserva para a Orquestra da CEE, tem colaborado como freelancer desde 1984 com as seguintes Orquestras: -Orquestra da RDP; Nova Filarmonia Portuguesa; Régie Sinfonia (já extintas); Orquestra da Silésia (Katowice – Polónia); Sinfonia Varsóvia; Nacional do Porto; Sinfonieta de Lisboa; Orquestra Metropolitana; Orquestra Sinfónica Portuguesa; Orquestra Gulbenkian, onde foi tubista principal convidado de 1987 a 2000, com a qual gravou vários CDS, e fez várias digressões de onde se destacam: Paris, Viena de Áustria, Colónia, Munique, Dusseldorf e Estados Unidos da América. Nas Orquestras onde trabalhou teve sempre vários elogios públicos  de Maestros, Colegas e Solistas, como Michael Zilm, Max Rabinovitsj, Boris Belkin, Max Valdés, Silva Pereira, Muhai Tang, Richard Hicoks, José Ramon Encinar, Gérard Buquet, Fernando Eldoro, Alejandro Oliva; Vitorino de Almeida, Emanuel Nunes, Júlia Jones, Emiliano Pomárico… etc. Gravou com o Maestro Vitorino D´ Almeida uma peça do mesmo para Tuba e Flautim Solo, editado em CD.

Em 1992 fez a primeira audição em Portugal do Concerto para Tuba e Orquestra de Ralph Vaughan Williams na Aula Magna de Lisboa, voltando  a executá-lo em 1995 com a Banda da Guarda Nacional Republicana, em 1998 executou  o Concerto para Tuba e Orquestra de Edward Gregson com a mesma,  fez também as Integrais  de Hindemith na Culturgest. Foi membro fundador do Quinteto de Metais Hot Brass de Portugal, Decateto Português de Metais e da Associação portuguesa de Percussionistas e Instrumentistas de Sopro. No período em que estudou em Paris, trabalhou com a Orquestra da Cidade Universitária e acompanhou de perto o trabalho desenvolvido pelo Ensemble Intercontemporâneo e Ensemble Modern de Frankfurt onde teve o privilégio de assistir a muitos ensaios com o Maestro “Pierre Boulez “, e Silvain Crambreling devido a Gérard Buquet seu professor ser o coordenador dos metais Ensemble/Intercontemporâneo.

Em 1993 num Concurso Internacional para a Orquestra Sinfónica Portuguesa ganhou o lugar de Tuba Solista A, não tendo aceitado o lugar, para poder prosseguir os seus estudos em Paris. Em 1999 ganhou o lugar de Solista A, para a vaga provisória da Orquestra Sinfónica Portuguesa, tendo em 2001 num Concurso Internacional ganho o lugar de Tuba Solista A por unanimidade. De 1996 a 2001 leccionou no Conservatório Nacional de Música de Lisboa; de 1996 a 1998 na Academia Superior de Orquestra no primeiro curso com equivalência a licenciatura; de 1997 a 2007 leccionou na Escola Profissional de Música de Espinho; de 1998 a 2002 leccionou na Escola Profissional de Música e Artes de Almada, na cadeira de Tuba e de Música de Câmara; de 2003 a 2007 no Instituto Piaget de Almada, de 2011 a 2015 foi professor de Tuba e Música de Câmara na Universidade de Évora até 2015. Actualmente é Professor de Tuba e Música de Câmara na ESART Instituto Politécnico de Castelo Branco, na Universidade de Aveiro e Director Pedagógico no Conservatório Regional de Artes do Montijo, e Tuba Solista A na Orquestra Sinfónica Portuguesa/Teatro Nacional São Carlos.

 

Horários das Masterclasses

Masterclasses de 1 dia: 09h30 – 13h00 / 14h30 – 19h00

Masterclasses de 2 dias: 09h30 – 12h30 / 14h30 – 18h30

 

Pianista Acompanhador

Alunos Externos que necessitem de acompanhamento de piano, poderão fazer-se acompanhar do mesmo.

Caso o aluno não tenha pianista acompanhador, o Conservatório de Artes Canto Firme disponibiliza o seu acompanhador regular (por um valor de 10€, que acresce ao valor da inscrição da Masterclasse) de acordo com a apresentação antecipada de reportório. Para mais info sobre o acompanhamento de piano contacte o nº 249 314 251.

 

Prazo limite de inscrições

Só são aceites inscrições até 2 dias antes da data de cada Masterclasse.

 

Limite de inscrições

Masterclasses de 1 dia: 10 Inscrições

Masterclasses de 2 dias: 12 Inscrições

 

Notas Importantes

O almoço/jantar e alojamento dos participantes e ouvintes das diversas Masterclasses ficará ao encargo de cada um dos participantes.

 

AS INSCRIÇÕES DEVEM SER FEITAS OBRIGATORIAMENTE NUM COMPUTADOR FIXO. AS INSCRIÇÕES FEITAS POR TELEMÓVEL NÃO SÃO RECONHECIDAS PELO SITE. 

 

Ficha de Inscrição:

Campos marcado com * são obrigatórios.

Detalhes

Início:
10 Fevereiro, 2018
Fim:
10 Março, 2018
Categoria de eventos:

Organizador

Canto Firme de Tomar
Telefone:
249314251
E-mail:

Local

Canto Firme
Telefone:
249314251
Rua Dom Lopo Dias de Sousa, 8C, Tomar, 2300-483 Tomar
+ Google Map
Site:
www.cantofirme.pt